ORFEU SPAM 19/20

Jornal Eletrônico de Poesias e Artes

Editora: Epsilon Volantis

ISSN: 1807-8311

Orfeu Spam é uma publicação trimestral de poesia, música e artes em geral.

São Paulo, jul.ago. de 2008/set out. de 2008.

Orfeu Spam está no ar desde janeiro de 2003

Voltar  

   Home Page

  Capa Orfeu Spam 19/20  

   Home Page

  Avançar

BLOG!  Marginália Let Me Traduce Pop-UP! Revisão... Metamoderna Pim-Ball! Pop-Corn! Acadêmica I Acadêmica II

Sessão Pim-Ball: Poesias de Chacal, Paulo Leminski, Gregory Corso, Allen Ginsberg, Lawrence Ferlinghetii, Roberto Piva e Juliana Oliveira.

 

 

Poetas Pedindo Carona à Beira da Estrada

   
Claro que eu tentei lhe dizer
mas ele virou a cara
sem sequer desculpar-se
Eu lhe disse que o céu persegue
o sol
E ele sorriu e disse:
"Sim e daí?" Eu me sentia como um demônio
outra vez
Por isso disse:"Mas o oceano persegue
os peixes."
Desta vez ele riu
e disse: "Suponho que
os morangos foram empurrados para uma montanha."
Depois disso vi que a
guerra estava declarada...
Então lutamos:
Ele disse:"A carroça das maçãs como um
anjo numa vassoura
racha & lasca
velhos tamancos holandeses."
Eu disse:"O relâmpago vai cair no velho carvalho
e libertar a fumaça!"
Ele disse:"Rua louca sem nome."
Eu disse:"Assassino careca! Assassino careca! Assassino careca."
Ele disse, perdendo a cabeça de uma vez por todas,
"Fogões! Gasolina! Divã"
Eu, sorrindo, disse apenas:
"Sei que Deus voltaria sua cabeça
caso eu me sentasse calado e pensasse."
Acabamos evaporando
com ódio do ar!

 Gregory Corso


de Gasolina & Lady Vestal, de Gregory Corso
Tradução: Eduardo Bueno
L&PM editores

_________________________________________________

 

20 anos recolhidos

chegou a hora de amar desesperadamente

                                                  apaixonadamente

                                                   descontroladamente

chegou a hora de mudar o estilo

                         de mudar o vestido

chegou atrasada como um trem atrasado

mas que chega

                                                       Chacal

 


 

UM SUPERMERCADO NA CALIFÓRNIA
 

Como  estive pensando em você esta noite, Walt Whitman,

enquanto caminhava pelas ruas sob as arvores, com dor de cabeça, autoconsciente, olhando a lua cheia.

No meu cansaço faminto, fazendo o Shopping das imagens,

entrei no supermercado  das frutas de néon sonhando com
tuas enumerações !

Que pêssegos e que penumbras ! Famílias inteiras fazendo

suas compras a noite ! Corredores cheios de maridos !  Esposas
entre os abacates, bebês nos tomates ! - e você, Garcia Lorca,
o que fazia lá, no meio das melancias ?
 

Eu o vi WW, s/ filhos, velho vagabundo solitário,

remexendo nas carnes do refrigerador e lançando olhares
para os garotos da mercearia.

Ouvi-o fazer perguntas a cada um deles; Quem matou as

costeletas de porco ? Qual o preço das bananas ?

Será você meu Anjo ?

Caminhei entre as brilhantes pilhas de latarias, seguindo-o

e sendo seguido na minha imaginação pelo detetive da loja.
Perambulamos juntos pelos amplos corredores com nosso
 passo solitário, provando alcachofras,

pegando cada um dos petiscos gelados e nunca passando pelo caixa.

Aonde vamos, WW ? As portas fecharão em uma

hora. Para quais caminhos aponta tua barba esta noite ?

( Toco teu livro e sonho com nossa odisséia no supermercado e sinto-me absurdo.)

Caminharemos a noite toda por solitárias ruas ? As árvores somam sombras às sombras, luzes apagam-se nas casas, ficaremos ambos sós.

Vaguearemos sonhando com a América perdida do amor,

passando pelos automóveis azuis nas vias expressas, voltando
para nosso silencioso chalé ?

Ah, pai querido, barba grisalha, velho e solitário pro-

fessor de coragem, qual América era a sua quando Caronte
parou de impelir sua balsa e Você na margem nevoenta,

Allen Ginsberg, in Uivo, L&PM.1984,

 


 

Orfeu Google

Pesquisa 

Biblioteca

Nacional RJ

Bib. Nac.

Portugal

Bib. Congresso

USA

Biblioteca

Mário de Andrade

Biblioteca

Virtual

MEC

Ministério da Educação

Minc

Ministério da Cultura

Periódicos

CAPES

CNPQ

Portal

Acordei bemol


acordei bemol
tudo estava sustenido
sol fazia
só não fazia sentido

Paulo Leminski

A Sala

Mundo, mundo...
Tão vasto mundo!
Aqui dentro
O frio do concreto...

No limiar das paredes,
possibilidades, identidades,
Caras & Bocas, sentimentos,
Toda sorte de cores e amores...
Incertezas, abstração..........
...............................

Aqui dentro, o frio...
Aqui dentro, o vazio:
significado sem significante,
Verbos sem ação.

Juliana Oliveira
 

Terrível

 

Terrível

um cavalo à noite

de pé atrelado sozinho

na rua silenciosa

e relinchando

 

como se alguém nu montado nele

o tivesse cingido com pernas ardentes

e cantado

uma sílaba

doce estridente esfomeada única


 

 

Lawrence Ferlinghetti

 

O Inferno Musical

As horríveis pianolas
                     de câncer
    descendo várias semínimas
                                   até o Galo
        ondas do meu agrado
                                 & sempre
            sonorizando a Hora Premeditada
OS QUINZE VELOCÍPEDES
                       NA LADEIRA
                                        DO AMOR
        como um Mar de bocas
           tóxicas de Sagitário
                ondulando nas almas
                           que dançam despidas
MONSTROS GIRATÓRIOS


ROBERTO PIVA - Piazzas (1964)

Voltar  

   Home Page

  Capa Orfeu Spam 19/20  

   Home Page

  Avançar