ORFEU SPAM 14

Jornal Eletrônico de Poesias e Artes

Editor: Jayro Luna

ISSN: 1807-8311

Orfeu Spam é uma publicação trimestral de poesia, música e artes em geral.

São Paulo, julho/agosto/setembro de 2006.

Orfeu Spam está no ar desde janeiro de 2003

Voltar  

   Home Page

  Capa Orfeu Spam 14  

   Home Page

  Avançar

Sessão Metamoderna: Poesias de Jayro Luna

Júpiter

“Meu filho, o fim de tudo está nas mãos do trovejante Zeus” Semônides de Samos.

“Númen que tens do mundo o firmamento” Alexandre de Gusmão.

 

Dos planetas do sistema solar

És o maior, e já fostes um deus:

Zeus! E se então seu selo a somar

Nos pomos - redivivos galileus!-

 

O valor trinta e quatro vem mostrar,

Qual num quadro de Dürer - um sandeu?

De certo, Não! Que entre a Terra, o Mar

E o Céu o segredo se abriu aos olhos teus!

 

Lá vem o velho sapateiro Levi,

Todo cambaleante, sem direção,

Como o ritmo deste soneto aqui...

 

Oh! Júpiter! Entre o raio e o trovão,

Reinas ainda sob meus versos qual um π

Cujo raio é a medida de meu coração.

Jean Baptiste Ingres - Júpiter e Tétis

 

Templo de Saturno - Roma.

 

 

Os Anéis de Saturno

“Stop! For thy tread is on an Empire’s dust” Lord Byron

The sacred rites benevolent attend,
And grant a blameless life, a blessed end.Hino Pitagórico a Saturno, trad. Thomas Taylor.

 

Tempestades colossais e velozes

Assolam a superfície e atmosfera,

Seu nome marca a mudança de eras,

Assim como o sábado e os algozes...

 

Por que belos anéis a ti se pusera?

São os restos dos filhos que em neuroses

Devorastes? Ou restos duma gnose,

Ou é a pedra que Réia à vez de Zeus lhe dera?

 

Cronos! O Deus do Tempo cujo templo

Guardava o tesouro antigo de Roma!

Sua vitória e seus medos sirvam de exemplo!

 

Castraste o pai, Urano, e seu trono toma!

Ao céu, o último dos visíveis contemplo!

E dos números, quinze é o selo e a soma...

 

17/12, Aparecida do Norte.

 

 

Veja vídeo do Youtube com essa poema e música do Led Zep em versão instrumental dos Lee Bats:

 

 

Ultraman

Para Nise Ultraman, Akiko Fuji e Carl G. Jung

“Nas outras portas outras pugnas fervem,

Mas narrar tudo, como um Deus, não posso!” Homero, Ilíada.

“Todos que desejam percorrer a verdadeira senda da liberdade têm necessidade da luz do sol gnóstico” Jan Van Rijckenborgh

 

Sou um Hayata sem vida à espera

Da fusão de meu ser vil e inerte

Ao brilho aural dum herói doutras eras,

Um Ultraman adormecido me adverte

Que o Eu eterno que há em mim se recupera,

Que o Hayata mortal a vitória subverte,

Só assim os vários monstros a quem dera

A fútil conquista de meus mil medos

Serão vencidos pelo fulgor da alma!

Os torpes Baltans, o débil Bemlar,

Giango, Dodongo, Gabora já quedos!

Dada Seijin, Drako, Gomora em traumas

Derrotados! Também Woo e Kemular!

 

Voltar  

   Home Page

  Capa Orfeu Spam 14  

   Home Page

  Avançar