ORFEU SPAM APOSTILAS

[Volta à Página Principal]

Uma Abelha Na chuva - Carlos de Oliveira

 

 O romance é constituído pelas relações conflituosas entre Álvaro Silvestre e D. Maria dos Prazeres, relações que se complicam com a participação de outros personagens. Álvaro Silvestre apresenta um comportamento indiferente em relação à tensão emocional que vive D. Maria dos Prazeres.

Álvaro Silvestre se opõe à D. Maria dos Prazeres, simbolizam a união de concepções antagônicas. D. Maria dos Prazeres de origem aristocrática, representa a tradição e o poder familiar. Álvaro Silvestre, a indiferença e a frieza diante de seus objetivos mesquinhos. Álvaro chega a agredir quadros que representavam essa tradição familiar. Álvaro Silvestre, dotado duma consciência pequeno-burguesa, vai pouco a pouco, percebendo a ruína que se apossava daquela casa: objetos da casa eram vendidos: lustres, arcas de madeira, cadeiras. Participa como eminência parda no assassinato de Jacinto, por ver que a relação entre Jacinto e Clara fere seus preceitos acerca da ordem social. No fundo, por temer que se possa efetivamente ser feliz no amor e que há quem se lance a isso.

Por sua vez, D. Maria dos Prazeres vai pouco a pouco reconhecendo que é uma representante de uma classe social decadente

Paralelamente desenvolve-se a história de Jacinto e Clara. Existe ainda os rumores acerca das relações amorosas entre o Padre Abel e D. Violante, a timidez de Cláudia e as concepções existenciais do Dr. Neto.

Jacinto é assassinado por Marcelo, a mando do pai de Clara, António, oleiro cego, que prometera a filha ao rival de Jacinto e que objetivava com o casamento a posse da terra. Após o crime, Marcelo foge. Clara, grávida, suicida-se atirando-se a um poço.

D. Cláudia e o Dr. Neto formam outro casal no romance. Dr. Neto é naturalista enquanto D. Cláudia tem temores com a Natureza., causam-lhe receios o sol, o mar, a chuva.

Dentro desse panorama, percebe-se que o para Álvaro Silvestre/ D. Maria dos Prazeres representa o passado, a decadência do presente e se fundamentam num sentimento de remorso e de vingança. Os amantes que têm um final trágico, Jacinto e Clara olham para o futuro que, porém, não logram alcançar por ação violenta do meio social em que vivem. A cena “Jovem Casal no Palheiro” tem no romance a intenção de sugerir a esperança em que a mulher grávida e o casal cercado por uma vaca e um jumento simbolizam o (re)nascimento de Cristo.

Após a morte de Jacinto, o povo da aldeia supõe que Álvaro estivesse por detrás do fato, e correm até a casa do casal Álvaro/Maria dos Prazeres gritando contra eles e quebrando as vidraças.