ORFEU SPAM APOSTILAS

[Volta à Página Principal]

MARTIN CODAX

Quantas Sabedes Amar Amigo

 

Quantas sabedes amar amigo

treides comig’a lo mar de Vigo

            e banhar-nos-emos nas ondas!

 

Quantas sabedes amar amado

treides comig’a lo mar levado

            e banhar-nos-emos nas ondas!

  

Treides comig’a lo mar de Vigo

e veeremo’lo meu amigo

            e banhar-nos-emos nas ondas!

 

Treides comig’a lo mar levado

e veeremo’lo meu amado

            e banhar-nos-emos nas ondas!

Ondas do Mar de Vigo

Ondas do mar de Vigo,
se vistes meu amigo!
e ai Deus, se verrá cedo!
Ondas do mar levado,
se vistes meu amado!
e ai Deus, se verrá cedo!
Se vistes meu amigo,
o por que eu sospiro!
e ai Deus, se verrá cedo!
Se vistes meu amado
por que ei gram cuidado!
e ai Deus, se verrá cedo!

[Manda’ei amigo]

Mandad' ei comigo,
ca ven meu amigo:
e irei, madr' , a Vigo.
Comigu' ei mmandado,
ca ven meu amado:
e irei, madr' , a Vigo.
Ca ven meu amigo
e ven san' e vivo:
e irei, madr' , a Vigo.
Ca ven meu amado
e ven viv' e sano:
e irei, madr' , a Vigo.
Ca ven san' e vivo
e d' el-rei, amigo:
e irei, madr' , a Vigo.
Ca ven viv' e sano
e d' el-rei privado:
e irei, madr' , a Vigo.

Mia irmã fremosa, treides comigo]
Mia irmã fremosa, treides comigo
a la igreja de Vig' , u é o mar salido,
e miraremo-las ondas.
Mia irmaa fremosa, treides de grado
a la igreja de Vig' , u é o mar levado,
e miraremo-las ondas.
A la igreja de Vig' , u é o mar salido,
e verrá i, mia madre, o meu amigo
e miraremo-las ondas.
A la igreja de Vig' , u é o mar levado,
e verrá i, mia madre, o meu amado
e miraremo-las ondas

[ Ai Deus, se sab' ora meu amigo]
Ai Deus, se sab' ora meu amigo
com' eu senlheira estou en Vigo
e vou namorada.
Ai Deus, se sab' ora meu amado
com' eu en Vigo senlheira manho
e vou namorada.
Com' eu senlheira estou em Vigo
e nulhas guardas non ei comigo
e vou namorada.
Com' eu en Vigo senlheira manho
e nulhas guardas migo non trago
e vou namorada.
E nulhas guardas non ei comigo,
ergas meus olhos que choran migo
e vou namorada.
E nulhas guardas migo non trago,
ergas meus olhos que choran ambos
e vou namorada.

[E no sagrado, en Vigo,]
E no sagrado, en Vigo,
bailava corpo velido:
amor ei!
En Vigo, [e]no sagrado,
bailava corpo delgado:
amor ei!
Bailava corpo velido,
que nunca ouver' amigo:
amor ei!
Bailava corpo delgado,
que nunca ouver' amado:
amor ei!
Que nunca ouver' amigo,
ergas no sagrad' , en Vigo:
amor ei!
Que nunca ouver' amado,
ergu' en Vigo, no sagrado:
amor ei!

[Ai ondas que eu vin veer,]
Ai ondas que eu vin veer,
se me saberedes dizer
por que tarda meu amigo
sen mi!
Ai ondas que eu vin mirar,
se me saberedes contar
por que tarda meu amigo
sen mi!

(Apostila 7 de Idade Média - Literatura Portuguesa)