ORFEU SPAM APOSTILAS

[Volta à Página Principal]

D. Dinis ou D. Dinis I (também existe a grafia arcaizante Diniz) (9 de Outubro 1261 – 7 de Janeiro 1325, Santarém), rei de Portugal, filho de D. Afonso III e da infanta Beatriz de Castela, neto de Afonso X de Castela. Foi aclamado em Lisboa em 1279. Cognominado O Lavrador ou O Rei-Agricultor (pelo impulso que deu no reino àquela actividade) e ainda, O Rei-Poeta ou O Rei-Trovador (pelas Cantigas de Amigo que compôs e pelo desenvolvimento da poesia trovadoresca a que se assistiu no seu reinado), foi o sexto Rei de Portugal. Foi o primeiro rei português a assinar os seus documentos com o nome completo. Presume-se que tenha sido o primeiro rei português não analfabeto .

 

Como herdeiro da coroa, D. Dinis desde cedo foi envolvido nos aspectos de governação pelo seu pai. À data da sua subida ao trono, Portugal encontrava-se em conflito com a Igreja Católica. D. Dinis procurou normalizar a situação assinando um tratado com o Papa Nicolau III, onde jurava proteger os interesses de Roma em Portugal. Salvou a Ordem dos Templários em Portugal através da criação da Ordem de Cristo, que lhe herdou os bens em Portugal depois da sua extinção.

D. Dinis foi essencialmente um rei administrador e não guerreiro: envolvendo-se em guerra com Castela em 1295, desistiu dela em troca das vilas de Serpa e Moura. Pelo Tratado de Alcanises (1297) firmou a Paz com Castela, definindo-se nesse tratado as fronteiras actuais entre os dois países ibéricos.

A sua prioridade governativa foi essencialmente a organização do reino: continuando as políticas de legislação iniciadas pelo seu pai, D. Dinis publicou o núcleo dum Código focando a protecção das classes menos favorecidas de abusos de poder.

Durante o seu reinado, fez várias viagens em pelo reino, visitando vilas e resolvendo problemas. Com sua mulher, a Rainha Santa Isabel, D. Dinis procurou melhorar a vida dos pobres e fundou várias instituiçoes de caridade. Preocupado com as infra-estruturas do País, D. Dinis ordenou a exploração de minas de cobre, prata, estanho e ferro e fomentou as trocas com outros países, assinou o primeiro tratado comercial com Inglaterra em 1308 e fundou a marinha mercante portuguesa.

O rei D. Dinis fomentou uma 'reforma agrária' em Portugal, redistribuíu terras, promoveu a agricultura e fundou várias comunidades rurais, assim como mercados e feiras. Um dos seus maiores legados foi a ordem de plantar o Pinhal de Leiria, que ainda se mantém, de forma a proteger as terras agrícolas do avanço das areias costeiras.

A cultura foi um dos seus interesses pessoais. D. Dinis apreciava literatura e escreveu vários livros pelo seu próprio punho, com temas como admnistração ou caça, e vários volumes de poesia. Durante o seu reinado, Lisboa foi um dos centros Europeus de cultura. A Universidade de Coimbra foi fundada pelo seu decreto Magna Charta Priveligiorum.

Os últimos anos do seu reinado foram, marcados por conflitos internos. O herdeiro, futuro D. Afonso IV, receoso que o favorecimento de D. Dinis ao seu filho bastardo, Afonso Sanches o espoliasse do trono, exigiu o Poder e combateu o pai. Nesta luta teve intervenção apaziguadora a Rainha Santa Isabel que, em Alvalade se interpôs entre as hostes inimigas já postas em ordem de batalha.

D. Dinis está sepultado no Convento de São Dinis, em Odivelas.

1

Quer'eu em maneira de proençal
fazer agora un cantar d'amor,
e querrei muit'i loar mia senhor
a que prez nen fremusura non fal,
nen bondade; e mais vos direi en:
tanto a fez Deus comprida de ben
que mais que todas las do mundo val.

Ca mia senhor quiso Deus fazer tal,
quando a faz, que a fez sabedor
de todo ben e de mui gran valor,
e con todo est'é mui comunal
ali u deve; er deu-lhi bon sen,
e des i non lhi fez pouco de ben,
quando non quis que lh'outra foss'igual.

Ca en mia senhor nunca Deus pôs mal,
mais pôs i prez e beldad'e loor
e falar mui ben, e riir melhor
que outra molher; des i é leal
muit', e por esto non sei oj'eu quen
possa compridamente no seu ben
falar, ca non á, tra-lo seu ben, al.

2

Proençaes soen mui ben trobar
e dizen eles que é con amor;
mais os que troban no tempo da frol
e non en outro, sei eu ben que non
an tan gran coita no seu coraçon
qual m'eu por mha senhor vejo levar.

Pero que troban e saben loar
sas senhores o mais e o melhor
que eles poden, soõ sabedor
que os que troban quand'a frol sazon
á, e non ante, se Deus mi perdon,
non an tal coita qual eu ei sen par.

Ca os que troban e que s'alegrar
van eno tempo que ten a color
a frol consigu', e, tanto que se for
aquel tempo, logu'en trobar razon
non an, non viven [en] qual perdiçon
oj'eu vivo, que pois m'á-de matar.

3

Quisera vosco falar de grado,

ai meu amigu’ e meu namorado,

mais non ous’ oj’ eu con vosc’ a falar,

ca ei mui gran medo do irado;

irad’ aja Deus que me lhi foi dar.

En cuidados de mil guisas travo

por vos dizer o con que m’ agravo;

mais non ous’ oj’ eu con vosc’ a falar,

ca ei mui gran medo mal-bravo;

mal-brav’ aja Deus quen me lhi foi dar.

Senhor do meu coraçon, cativo

sodes en eu viver con quen vivo;

mais non ous’ oj’ eu con vosc’ a falar,

ca ei mui gran medo do esquivo

esquiv’ aja Deus quen me lhi foi dar.

 

 

(Apostila 4 de Idade Média - Literatura Portuguesa)