ORFEU SPAM APOSTILAS

[Volta à Página Principal]

A Mulher que Escreveu a Bíblia - Moacyr Scliar - resumo

 Moacyr Scliar, 63 anos, é médico e escritor. Gaúcho de origem judaica, vem produzindo ao longo de sua vida uma obra vasta que vai do romance ao ensaio, traduzida para doze idiomas e adaptada para o cinema, o teatro e a TV. Publicou entre outros a coletânea de contos "A orelha de Van Gogh", ganhadora do prêmio Casa de Las Américas e os romances "Sonhos tropicais" e "A majestade do Xingu", baseados nas vidas de Oswaldo Cruz e Noel Nuttels respectivamente.

Sinopse: A mulher que escreveu a Bíblia é um pequeno romance em que se fundem as três maiores qualidades do gaúcho Moacyr Scliar: a imaginação, o humor e a fluência narrativa. Para estas qualidades recebeu o Prêmio Jabuti 2000.

Ajudada por um ex-historiador que se converteu em "terapeuta de vidas passadas", uma mulher de hoje descobre que no século X antes de Cristo foi uma das setecentas esposas do rei Salomão - a mais feia de todas, mas a única capaz de ler e escrever. Encantado com essa habilidade inusitada, o soberano a encarrega de escrever a história da humanidade - e, em particular, a do povo judeu -, tarefa a que uma junta de escribas se dedica há anos sem sucesso. Com uma linguagem que transita entre a elevada dicção bíblica e o mais baixo calão, a anônima redatora conta sua trajetória, desde o tempo em que não passava de uma personagem anônima, filha de um chefe tribal obscuro.

Moacyr Scliar recria o cotidiano da corte de Salomão e oferece novas versões de célebres episódios bíblicos. Em sua narrativa, repleta de malícia e irreverência, a sátira e a aventura são matizadas pela profunda simpatia do autor pelos excluídos de todas as épocas e lugares.

Tema: Último romance escrito por Scliar e lançado no final de 1999, A mulher que escreveu a Bíblia reúne o que há de melhor no trabalho desse escritor cujo texto é marcado pela leveza, fluência e imaginação. Em sua trama bem urdida, misturam-se sem cerimônia erudição e escracho, sagrado e profano, História e ficção, sublime e ridículo, religião e sexo. Para escrevê-lo, Scliar baseou-se na hipótese do crítico norte-americano Harold Bloom de que uma mulher teria sido a autora da primeira versão da Bíblia, escrita no século X aC. A trama, que envolve um terapeuta de vidas passadas charlatão e apaixonado por sua paciente, leva-nos numa viagem aos esplendores do reinado do sábio rei Salomão em Israel, a cujo harém acaba de chegar uma mulher feia, apaixonada e - coisa incomum para a época - letrada. Será ela a narradora dessa história repleta de ação, aventura, paixão e intriga. Diversão garantida pelas hilariantes versões de episódios bíblicos, tratados com originalidade e irreverência rejuvenescedoras pelo talento de uma dos maiores representantes de nossa literatura.
Trecho: "Bastava-me o ato de escrever. Colocar no pergaminho letra após letra, palavra após palavra, era algo que me deliciava. Não era só um texto que eu estava produzindo; era beleza, a beleza que resulta da ordem, da harmonia. Eu descobria que uma letra atrai outra, essa afinidade organizando não apenas o texto como a vida, o universo. O que eu via, no pergaminho, quando terminava o trabalho, era um mapa, como os mapas celestes que indicavam a posição das estrelas e planetas, posição essa que não resulta do acaso, mas da composição de misteriosas forças, as mesmas que, em escala menor, guiavam minha mão quando ela deixava seus sinais sobre o pergaminho."(p.41)

Resenha:

A Mulher que Escreveu a Bíblia
por José Geraldo Couto
fonte: http://www.klickescritores.com.br/pag_escrit/mscliar05.htm

Em The Book of J, o crítico norte-americano Harold Bloom levanta a surpreendente tese de que a primeira versão da Bíblia hebraica teria sido escrita por uma mulher, na segunda metade do século X a.C. Moacyr Scliar, neste breve e delicioso romance, vai além: ao submeter-se a uma “terapia de vidas passadas”, uma mulher de nossa época descobre que foi ela que, há três mil anos, como a única letrada entre as setecentas esposas do rei Salomão, recebeu deste a incumbência de escrever a história da humanidade e do povo judeu.

É pelos olhos dessa mulher feiíssima e intelectualmente brilhante que percorremos os bastidores da corte de Salomão e a vida cotidiana da Jerusalém de seu tempo. Por essa via oblíqua, Moacyr Scliar constrói uma narrativa fascinante, que é ao mesmo tempo sátira e romance de aventura.

Como costuma acontecer nos livros do autor, o humor irreverente anda de braços com um profundo humanismo, cujo traço mais evidente é a simpatia pelos deserdados e excluídos. Aqui, Scliar, além de sua fabulosa imaginação, demonstra todo o seu virtuosismo literário ao misturar o registro elevado da linguagem bíblica com a fala desabusada da narradora/escriba, criando anacronismos deliberados e impagáveis.

Desse modo, brinda-nos com versões novas e hilariantes de célebres episódios bíblicos, como o das duas mulheres que recorreram a Salomão na disputa por um bebê (“prostitutas de uma estrela, no máximo”), ou o do encontro do rei dos judeus com a bela rainha de Sabá (a quem ele recita, com propósitos lascivos, os versos do Cântico dos Cânticos).

Diante desse banquete de fantasia e humor, nenhum leitor ficará indiferente.

 

(Apostila 30 de Lit. brasileira Contemporânea)