ORFEU SPAM APOSTILAS

[Volta à Página Principal]

Píndaro

(em grego, Πίνδαρος - Píndaros, na transliteração), também conhecido como Píndaro de Cinoscefale ou Píndaro de Beozia (518 a.C., Tebas – 438 a.C., Argos), foi um poeta grego, autor de "Epinícios" ou "Odes Triunfais", e autor também da célebre frase "Homem, torna-te no que és". Chegaram-nos um total de 45 epinícios, divididos em quatro livros, conforme o nome dos jogos que celebravam: Olímpicas, Píticas, Neméias e Ístmicas. História Descendente dos átridas, chegou aos dez anos em Atenas, onde aprendeu música com os mestres Agatides e Apolodoro. Estudou em Delfos e Egina, colhendo as tradições que o fizerem brilhar na vida artística. Na "Décima Pítica", seu primeiro poema, parece alertar os homens sobre o perigo da guerra e convencê-los à paz. Em 447 A.C., o rei Hierão de Siracusa, chamou-o, livrando-o de inúmeras dificuldades. Isto é relatado na "Quarta Pítica". Não alcançou sucesso na atividade pacificadora, sendo preso na batalha de Patea. Depois seus cantos alcançaram grande fama em toda Grecia cultivando todas as formas líricas conhecidas (hinos, odes, cantos, ditirambos e epinícios). Somente a quarta parte de sua produção chegou à atualidade. Conservam-se, a parte de outros fragmentos, quatro livros de "Epinícios" ou "Cantos Triunfais", que se referem às diferentes festas "pan-helênicas". As odes epinicianas louvavam os jogos olímpicos, embora Píndaro não tenha conseguido clareza na descrição. A maioria dos poemas é dividida em estrofes, mas a estrutura é principalmente triádica. O dialeto usado nas odes visava a fazê-las compreensíveis da Ásia Menor à Sicília, embora não fosse fácil seguir o seu pensamento muito fragmentado. Só há clareza na sua obra quanto a sua pessoal devoção religiosa. Obras relacionadas Diversas odes de Píndaro foram traduzidas do grego para o português por Daisi Malhadas, Maria Helena de Moura Neves, Maria Helena da Rocha Pereira, Frederico Lourenço e António de Castro Caeiro, dentre outros. * MALHADAS, Daisi. Odes aos Príncipes da Sicília. Araraquara: FFCLAr-UNESP, 1976. * _______________; MOURA NEVES, Maria H. de. Antologia de poetas gregos de Homero a Píndaro. Araraquara: FFCLAr-UNESP, 1976 * PEREIRA, Maria H. da R. Sete odes de Píndaro. Porto: Porto editora, 2003 * LOURENÇO, Frederico; vários. Poesia grega - de Álcman a Teócrito. Lisboa: Cotovia, 2006 * CAEIRO, António de C. Píndaro - Odes Píticas. Prime Books, 2006

Fonte: http://www.jornallivre.com.br/123764/quem-foi-pindaro-.html


 

OITAVA ODE PÍTICA DE PÍNDAROHumberto Zanardo Petrelli
Mestre em Filosofia pela USP

 

Píndaro (P…ndaroj) foi o mais brilhante poeta do século V a.C.. Nasceu numa província próxima a Tebas, provavelmente em 522 a.C., na pequena cidade de Cinoscéfalos, na Beócia. Era de família aristocrática e fez seus estudos em Atenas. Escreveu sua primeira Ode, a Sétima Pítica, com menos de vinte (20) anos de idade, para Alcmeônidas de Mégacles, em 486 a.C., segundo os estudiosos P. E. Easterling e B. M. W. Knox (1999) 226-7. Em vida, gozou de grande fama, a qual perdurou por toda a antigüidade. Ficou conhecido pelo epíteto de “príncipe dos poetas”. Porque sua notoriedade se espalhara por toda a Grécia, Píndaro tornou-se um poeta profissional itinerante. Entre outros, compôs por encomenda para Hieron I de Siracusa, em 478/467 a.C., Teron de Acragás, em 488/472 a.C., e Arcesilau IV de Cirene, em 462 a.C.. Morreu em Argos com quase oitenta (80) anos, por volta de 438 a.C..

Uma coletânea organizada por eruditos alexandrinos lista um total de dezessete (17) livros de Píndaro, entre hinos, peãos, ditirambos, prosódions, partenions, hiporquemas, encômios, trenos e epinícios. Chegaram a nós quarenta e cinco (45) epinícios , divididos em quatro livros: Olímpicas, Píticas, Neméias e Ístmicas. A ode mais antiga data de 498 a.C., e a mais recente de 446 a.C..

Píndaro escreveu basicamente no dialeto dórico, porém, também fez uso dos dialetos homérico e eólico. Por isso, sua escrita distancia-se um pouco da linguagem falada. Seu estilo elevado e grandioso descreve os mitos com fantasia e muita originalidade. Embora tenha composto vários tipos de poesia lírica, sua fama advém principalmente dos epinícios, sempre compostos por ele por encomenda.

Os epinícios são odes corais em honra aos vencedores de jogos atléticos, como a corrida, luta, arremesso de pesos, corrida de cavalos, etc.. Eram acompanhados em geral pela cítara e pelo aulos e possuíam uma extensão bem maior que as composições da lírica monódica. Segundo a tradição alexandrina, o epinício foi “inventado” por Simônides, de Ceos, mas a modalidade foi cultivada principalmente por Baquílides e Píndaro. A estrutura formal de um epinício obedece a seguinte ordem: (a) invocação dirigida a uma divindade ou à cidade do vencedor; (b) elogio do vencedor; (c) relato mítico relacionado com a família ou com a cidade do vencedor; ou, ainda, com a festa em que se comemorava a sua vitória; (d) comentários e conselhos morais, freqüentemente inspirados no mito.

Assim como a poesia épica, a poesia lírica não utilizava a rima, e o metro baseava-se em seqüências padronizadas de sílabas longas e breves. A estrutura métrica do poema lírico era muito variável. Os ‘pés’ ou grupos de sílabas, com suas respectivas representações, mais utilizados eram:

 

dáctilo:    (longa-breve-breve)

espondeu:  — —  (longa-longa)

iambo:   (breve-longa)

troqueu:  (longa-breve)

ritmo guerreiro:    (breve-breve-longa)

epitrito:    (longa-breve-longa-longa)

           

Os versos dos epinícios eram construídos habitualmente com três estrofes de metros complexos e muito variáveis. O mais utilizado por Píndaro era o epitrito combinado com um dáctilo.

O livro das Odes Píticas (ΠΥΘΙΟΝΙΚΩΝ) contém doze (12) odes triunfais organizadas em ordem não cronológica. Com exceção da Ode Pítica II, as demais foram dedicadas a vitórias obtidas nos Jogos Píticos. Estes jogos, celebrado em Delfos em honra ao deus Apolo, ocorriam a cada quatro anos no terceiro ano após as Olimpíadas.

A Pítica VIII apresenta 100 versos e recomenda humildade ao jovem e bem sucedido vencedor, citando os exemplos do gigante Porfírio, vencido por Apolo, e de Tifon, vencido por Zeus. É dedicada a Aristomeno de Egina, lutador (446 a.C.).

Píndaro foi muito lido e estudado ao longo da história, da antigüidade clássica à era bizantina, do renascimento aos dias presentes. Para esta revista preparei a tradução da Pítica VIII, que homenageia Aristomeno, jovem lutador egino vitorioso nos Jogos Píticos.

Esta Pítica foi composta provavelmente em 446 a.C., quando Píndaro passava dos setenta (70) anos de idade. A ode se inicia com uma invocação à Serenidade (Paz, Concórdia), nos versos 1 a 5. A Serenidade é quem sabe proporcionar o júbilo, mas quando provocada se torna uma formidável adversária, como Porfírio e Tifon puderam experimentar (6-20). A ilha de Egina é celebrada pelos heróis e pelos homens (21-28). No entanto, o poeta se recusa a detalhar mais os acontecimentos (29-32). Depois disso, Píndaro louva Aristomeno, que, por imitação do sucesso de seus tios no atletismo, merece que Anfiarao profetize como os Epígonos combateram anteriormente em Tebas (32-34). Os filhos também carregam as determinações paternas que, como no caso do próprio filho Alcmeon, Anfiarao prediz que Adrasto sairia vitorioso, mas perderia seu filho (43-55). Alcmeon é louvado por profetizar ao poeta sobre seu caminho para Delfos (56-60). Píndaro menciona a vitória de Aristomeno nos festivais em Pito e Egina, em honra a Apolo, e suplica aos deuses que continuem em seu favor (61-72). Se os homens adquirem sucesso sem grandes esforços, muitos vão pensar que eles são sábios, mas o que os deuses determinam é o que prevalece (73-77). Depois de listar as vitórias de Aristomeno em Megara, Maratona e Egina, o poeta como que desenha o triste retorno para casa dos quatro oponentes que foram vencidos em Delfos (78-87). Ao contrário deles, o vitorioso é enobrecido e anseia altas aspirações (88-92). Mas o jogo é transitório e a existência humana é efêmera. Contudo, quando os deuses nos reservam os grandes sucessos, a vida é doce (93-97). Finalmente, o poema termina com uma súplica a Zeus e ao rei Eaco para preservar Egina livre (98-100). Para esta tradução foi utilizado o texto estabelecido por Bowra (1935).

 

 

Bibliografia

• Bowra, C.M. Pindari Carmina, cvm fragmentis, recognovit breviqve adnotatione critica instrvxit, Oxonii, Typographeo Clarendoniano, 1935.
• Easterling, P.E. & Knox, B.M.W. The Cambridge History of Classical Literature,  Greek Literature I, Cambridge, Cambridge University Press, 1999.
• Puech, A. Pindare: texte établi et traduit, t. 1. Olympiques - t. 2. Pythiques - t. 3. Néméennes. - t. 4. Isthmiques et fragments , Paris, Société d’Edition “Les Belles Lettres”, 1922 -1931.


 

Píndaro – Oitava Pítica
 
Para Aristomeno de Egina, vencedor na luta.
 
Serenidade, filha benévola da Justiça,
que engrandece a cidade,
tu, que tens as chaves supremas
dos conselhos e das guerras,
acolhe esta honra ao vitorioso Pítico, Aristomeno.
Tu sabes o momento exato de proporcionar o contentamento
e de, do mesmo modo, recebê-lo.
 
Tu, quando alguém introduz em teu coração
o amargo ressentimento,
vais rude contra os inimigos,
colocando o poder da
intemperança no fundo do mar. Nem Porfírio escapou,
à margem de seu interesse, ao te provocar. O ganho mais alto é
consentido se alguém o traz de casa.
 
A força, com o tempo, abate o arrogante.
Tifon, o Cilício de cem cabeças, não a evitou,
nem, na verdade, o rei dos Gigantes, domados pelo raio
e pelas flechas de Apolo, o qual com a mente bem disposta
recebeu, vindo de Cirra, o filho
coroado de Xenarques, com louro do Parnaso e coro Dórico.


 

Ela não é indiferente às Graças,
esta ilha que tange a cidade justa
e conheceu as famosas
virtudes dos Eácidas. Desde a origem tem
sua reputação perfeita. Aos muitos canta,
tendo nutrido heróis em lutas vitoriosas e na rapidez
eminentes nos combates.
 
Entre os homens ela também brilha.
Estou sem tempo de dispor
todo o longo falatório
na lira e em linguagem doce,
pois o tédio vindo incomoda. Que minha dívida para ti
venha correndo, ó rapaz, dentre as mais recentes belezas,
devido ao meu engenho alado.
 
Nas lutas triunfantes, no rastro de teus tios maternos,
não desonres Teogneto, prêmio em Olímpia,
nem a vitória da vigorosa musculatura de Clitômaco, no Istmo.
Abrilhantando a família Midílida, levas o discurso,
que certa vez a criança de Ecles, na Tebas de sete portas, vendo os filhos,
pronunciou enigmas, mantendo-se em pé, ao lado de sua lança,


 

quando os Epígonos partiram de Argos
na segunda expedição.
O Ecleida pronunciou aos combatentes:
“Por natureza a bravura inata dos ancestrais
brilha sobre os filhos. Vejo com clareza
Alcmeon agitando o dragão listrado sobre seu escudo luzente,
primeiro nas portas de Cadmo.
 
Adrasto, o herói, cansado do sofrimento anterior
agora é surpreendido
por um anúncio de uma ave
de bom agouro. Mas o contrário se
fará em seu lar. No exército dos dânaos, só
ele recolhe os ossos do filho morto, pela sorte dos deuses
ele chegará com a armada intacta
 
entre as ruas largas de Abas”. Tais coisas
pronunciou Anfiarao. Com igual encanto
eu lanço coroas em Alcmeon, irrigando com meu hino,
porque meu vizinho é guarda de meus pertences
e veio ao meu encontro quando eu ia ao umbigo da terra muito celebrado,
e tocou-me nas artes adivinhatórias, inatas à sua família.


 

E tu, lança-dardos, que a todos acolhe
governando na famosa ilha
nos vales de Pito,
lá concedes em dar as maiores
jóias. E, em tua casa, antes, conduziste o almejado prêmio
do pentatlo, com as vossas festas.
Ó soberano, de bom grado suplico ao pensamento
 
detectar alguma harmonia
quando eu discorro sobre cada coisa.
A Justiça está ao lado da Dança e
da doce melodia. Aos deuses rogo a proteção
imortal, ó Xenarques, pelas vossas sortes.
Se alguém adquire bens sem grande fadiga,
a maioria cogita: parece um sábio quem, entre néscios,
 
prover a vida com retos conselhos para maquinar.
Mas essas coisas não cabem aos homens. Um nume decide:
ora um lançando para cima, ora outro, sob o peso das mãos,
derrubando, na medida”. Tens os prêmios em Megara
e no vale em Maratona, na competição nacional de Hera,
com três vitórias, ó Aristomeno, tendo vencido com este feito.


 

Caíste por cima de quatro
corpos, com maus pensamentos,
e para eles nem o retorno igualmente
agradável é decidido em Pito,
nem impele riso doce de alegria tendo voltado
para a mãe. Junto nos becos agachados,
alheios aos inimigos, feridos pela desgraça.
 
Aquele que obtém algum sucesso recente,
magnânimo voa a partir de sua
grande esperança
nas asas da satisfação, tendo
maior interesse que a riqueza. Em breve instante
o prazer dos mortais aumenta. E, assim, cai por terra,
pelo conhecimento adverso abalado.
 
Efêmeros! O que é alguém? O que não é alguém? Sonho de uma sombra:
o homem. Mas quando o brilho do dote divino vem,
a luz radiante sobrepaira nos homens e a vida se torna doce como mel.
Egina, mãe querida, conduz o livre curso
desta cidade, com Zeus, com o forte Eaco,
com Peleu, com o audaz Telamon, e com Aquiles.

Fonte: http://www.consciencia.org/pindaropetrelli.shtml


A SEXTA NEMÉIA DE PÍNDARO

Fernando Brandão dos Santos           

Introdução

Píndaro compôs essa ode para cantar a vitória do menino Alcimida, vencedor da luta de meninos, modalidade de pugilato, atestada já no período minóico, como se pode ver nos afrescos encontrados em Tera.

 A Sexta Neméia apresenta algumas dificuldades para sua datação. Como nos informa A. Puech, Alcimida pertecia a uma das famílias importantes da ilha de Egina, a dos Bassidas, que já somava cerca de 25 vencedores, entre os quais estava Praxidamente, o primeiro egineta a vencer nos Jogos Olímpicos. Como o texto de Píndaro faz menção a Milésias, famoso treinador de dois outros atletas vencedores, Alcimedonte, cantado na VIII Olímpica, e Timasarco, cantado na IV Neméia, os estudiosos são levados a crer que a ode teria sido composta em 460 a.C.

Tradução1

PARA ALCIMIDA MENINO EGINETA PUGILISTA


 






5.






10.
primeira estrofe

Uma só de homens,

uma só raça de deuses: de uma só mãe
respiramos ambos. Se-
 
para-as, porém, todo o poder
distinguindo-as, de forma que uma é nada,
 
mas sede sempre inabalável
permanece, bronzêo, o céu. Porém, em todo caso, em algo
 
                      [ nos as-
 
semelhamos, quer pelo grandioso espírito,
quer pela natureza, ao imortais,
 
embora nem durante um dia
sabedores nem à noite
 
até que marca
o destino traçou-nos caminhar.


15.





20.





25.
primeira antístrofe

Indica,
 

por certo, também de Alcimida reconhecer
 
                      [ o parentesco
igual a frutíferos cam-
 
pos, que alternando,
ora dão vida aos homens
 
inexaurível pelas planícies,
ora, porém, repousando,
 
vigor recuperam. Chegou, sim,
dos jogos amáveis de Neméia,
 
menino competidor, que esta
sorte de Zeus perseguindo,
 
agora brilha
caçador não desafortunado na luta,





30.



35.
primeiro epodo

em pegadas de Praxidaman-
 

te, avô paterno consangüíneo,
seu pé dispondo.
 
Pois, ele, vencedor Olímpi-
co sendo, aos Eácidas2
 
prêmios primeiro trouxe do Alfeu,
e, por cinco vezes, no Istmo foi coroado,
 
em Neméia, três, pôs fim ao esquecimento
de Saocleida, o mais velho
 
dos filhos de Agesímaco.




40.





45.




50.



55.




60.
segunda estrofe

Depois os
 

três, sendo vencedores, à mais alta excelência
chegaram, eles que fadigas ex-
 
perimentaram. Com sorte divina,
a nenhuma outra casa o pugilato
 
mostrou-se dispensador
de tantas coroas, no interior da Hé-
 
lade inteira. Espero,
grandiloqüente, o alvo atingir
 
como quem atira flechas.
Dirige-lhes, Musa -- vamos! --,
 
o sopro das palavras
gloriosas! Pois, perecidos os homens,
 
segunda antístrofe

cantos
 

e palavras as belas obras os conduzem;
para os Bassidas o que não rareia: de há muito famosa estirpe
naus transportando os próprios louvores,
 
aos lavradores das Piérides
são capazes de fornecer muitos hi-
 
nos por causa de soberbos
trabalhos. Pois também na divina
 
Pito, tendo atado as mãos à rédea,
venceu outrora desta família
 
o sangue,
Cálias3, doce
 



65.




70.





75.




80.




85.





90.




95.




100.
segundo epodo

aos rebentos de Letó de áurea-coroa4 e na Cas-
 

tália, ao entardecer, com o vozerio
das Graças, fulgiu.
 
E o Istmo sobre o mar infatigável,
na festa trienal dos vizinhos,
 
com sacrifício de touro,
honrou Creontidas
 
no templo de Posidão.
E, outrora, a erva do leão5
 
coroou-o vencedor sob as sombrias
montanhas antigas do Flionte6.
 
terceira estrofe

Amplos
 

aos prosadores de todas as partes
há acessos
 
para esta gloriosa ilha or-
nar. Depois que os Eácidas
 
forneceram-lhe destino superior, exce-
lências demonstrando grandiosas,
 
voa sobre a terra e
pelo mar longe
 
o nome deles. Também até os Etíopes,
para os quais Memnon7 não voltara,
 
saltou. Grave discórdia
sobreveio-lhe,
Aquiles, quando à terra descendo do carro,
 
terceira antístrofe

da brilhante
 

Aurora matou o filho com
ponta de lança irritadiça. E
 
este caminho os mais antigos
trafegável encontraram: si-
 
go também eu mesmo com minha arte.
Das ondas a que gira junto a
 
quilha da nau sempre,
é a que mais de todo o homem estimula
 
o coração. É de bom grado que eu nas cos-
tas carregando duplo fardo,
 
qual mensageiro caminho,
esta quinta cantando, depois de vinte,





105.




110.
terceiro epodo

glória dos jogos, que
 

nomeiam sagrados,
e Alcimida que a forneceu
 
à ínclita família; é verdade que junto
ao templo do Cronida,
 
ó menino, tanto de ti, como de Politimidas,
a sorte inclinou-se das Olimpíadas
 
flores roubar duas.
E igual ao golfinho pela rapidez no mar,
 
possa eu seguir Milésias,
condutor de braços e de força.
 

Notas

  1. Para a tradução usamos o texto de Aimé Puech, Némmeènes, Paris: Belles Lettres, 1967, tomo 3.
  2. Os Eácidas eram os filhos de Éaco, filho de Egina e de Zeus.
  3. Cálias venceu um dos jogos Píticos na corrida de carros.
  4. Letó, mãe de Apolo e de Ártemis.
  5. Provavelmente a "salsa brava" ou "aipo", de que se faziam as coroas dos jogos nemeus.
  6. Cidade da Argólida, próxima ao Peloponeso.
  7. Rei lendário da Etiópia, filho de Títon e de Aurora.

Fonte: http://olimpia776.warj.med.br/txt07.html